|

Proprietários de pequenas empresas em todo o país estão sentindo os impactos do surto de coronavírus e as ondulações econômicas causadas por ele. 

Com isso, muitos profissionais estão profundamente preocupados com suas perspectivas para os próximos meses, principalmente agora que a quarentena deve retroceder e fechar o comércio não essencial novamente, por pelo menos mais 15 dias.

Diante desse cenário, como que você, MEI ou pequeno empresário, pode minimizar suas perdas e manter seu fluxo de caixa? 

Redução de custos

Reduzir custos e tentar renegociar os contratos vigentes podem ser uma estratégia importante a se considerar durante esse período de instabilidade econômica. Inclusive, temos um texto aqui no nosso blog que fala sobre como reduzir seus custos de manutenção do escritório, por exemplo, acesse aqui.

Buscar novas alternativas de negócio

Se a sua empresa ainda não está muito presente no mundo online, de repente, essa é a hora de repensar suas diretrizes e ir atrás de mudanças. Explorar o comércio digital, estudar a viabilidade do delivery dentro do seu nicho de atuação ou mesmo oferecer consultorias via videoconferência, são algumas alternativas simples que já podem fazer a diferença. 

Ficar atento às linhas de crédito 

Desde que a pandemia começou, muitas linhas de crédito foram disponibilizadas ou tiveram seu acesso facilitado para micro e pequenos empreendedores. Conhecer suas particularidades e benefícios podem ser uma excelente luz no fim do túnel para resolver problemas emergenciais no curto prazo ou para poder estruturar melhor o seu negócio, visando adaptá-lo para o que muitos já chamam de “novo normal”. 

As opções mais conhecidas são o Banco do Povo e o crédito Caixa, em parceria com o Sebrae, mas recentemente também foi lançado o Pronampe – Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, criado pelo governo federal. Saiba mais sobre cada um deles: 


Banco do Povo Paulista

A linha de microcrédito do Banco do Povo teve seus juros reduzidos de 1% para 0,35% ao mês. Além disso, o prazo para pagamento também passou de 24 para 36 meses, já incluindo o prazo de carência (de 90 dias). Outra novidade foi que o limite de concessão de crédito sem avalista subiu de de mil para três mil reais.

De acordo com o site do programa, podem realizar os empréstimos pessoas jurídicas de micros e pequenos negócios formais (MEI, ME, LTDA, EIRELI) e também microempreendedores urbanos e rurais, inclusive do setor informal. Os pedidos passam por análise de crédito e comprovação de endereço e podem ser feitos pela internet, através do site https://www.bancodopovo.sp.gov.br/.


FAMPE – Parceria Caixa e Sebrae

Para empresas com faturamento anual de até R$ 4.8 milhões, a parceria entre a Caixa e o Sebrae oferece capital de giro por meio do Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (FAMPE), com taxas de juros que variam entre 1,19% a.m a 1,59% a.m, dependendo do tamanho da empresa, e com uma carência de até 12 meses para começar a pagar. Mais detalhes sobre essa modalidade de crédito, você encontra no site da Caixa.


PRONAMPE

Uma nova linha de crédito vinculada ao PRONAMPE (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), tem por objetivo garantir recursos para o estímulo e fortalecimento dos pequenos negócios. Pode ser contratado por MEI, microempresas e empresas de pequeno porte, com taxa de juros anual máxima correspondente à taxa SELIC mais 1,25%, prazo de pagamento de 36 meses e até 8 meses de carência. Mais informações você confere no Portal do Empreendedor.

Além dessas opções, também existem outras, mais específicas e voltadas para nichos mais segmentados, mas todas elas podem ser consultadas no Portal do Empreendedor.

E se você, porventura, ainda não formalizou o seu negócio, aproveite para conferir aqui no nosso blog todos os benefícios e vantagens de se obter um cadastro como MEI

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.